sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Síndrome dos Vinte e Poucos Anos.


Você começa a se dar conta de que seu círculo de amigos é menor do que há alguns anos. Dá-se conta de que é cada vez mais difícil vê-los e organizar horários por diferentes questões: trabalho, estudo, namorado(a) etc. E cada vez desfruta mais dessa Cervejinha que serve como desculpa para conversar um pouco. As multidões já não são ‘tão divertidas’, às vezes até te incomodam.
Mas começa a se dar conta de que enquanto alguns eram verdadeiros amigos, outros não eram tão especiais depois de tudo. Você começa a perceber que algumas pessoas são egoístas e que, talvez, esses amigos que você acreditava serem próximos não são exatamente as melhores pessoas. Ri com mais vontade, mas chora com menos lágrimas e mais dor. Partem seu coração e você se pergunta como essa pessoa que amou tanto e te achou o maior infantil, pôde lhe fazer tanto mal. Parece que todos que você conhece já estão namorando há anos e alguns começam a se casar, e isso assusta!
Sair três vezes por final de semana lhe deixa esgotado e significa muito dinheiro para seu pequeno salário. Olha para o seu trabalho e, talvez, não esteja nem perto do que pensava que estaria fazendo. Ou, talvez, esteja procurando algum trabalho e pensa que tem que começar de baixo e isso lhe dá um pouco de medo.

Dia a dia, você trata de começar a se entender, sobre o que quer e o que não quer. Suas opiniões se tornam mais fortes. Vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando um pouco mais do que o normal, porque, de repente, você tem certos laços em sua vida e adiciona coisas a sua lista do que é aceitável e do que não é. Às vezes, você se sente genial e invencível, outras… Apenas com medo e confuso.
De repente, você trata de se obstinar ao passado, mas se dá conta de que o passado se distancia mais e que não há outra opção a não ser continuar avançando. Você se preocupa com o futuro, empréstimos, dinheiro… E com construir uma vida para você. E enquanto ganhar a carreira seria grandioso, você não queria estar competindo nela.
O que, talvez, você não se dê conta, é que todos que estamos lendo esse texto nos identificamos com ele. Todos nós que temos ‘vinte e tantos’ e gostaríamos de voltar aos 15-16 algumas vezes. Parece ser um lugar instável, um caminho de passagem, uma bagunça na cabeça, mas TODOS dizem que é a melhor época de nossas vidas e não temos que deixar de aproveitá-la por causa dos nossos medos… Dizem que esses tempos são o cimento do nosso futuro. Parece que foi ontem que tínhamos 16… Então, amanha teremos 30. Assim tão rápido. 
Autor Desconhecido.
Encontrei no blog Depois dos Quinze

domingo, 12 de agosto de 2012

Saudade

 Tenho saudade do tempo da escola.
Tenho saudade do tempo em que eu acreditava nas pessoas.
Tenho saudade do tempo que tinha fé.
Tenho saudade  dos amigos que o tempo levou.
Tenho saudade do melhor namorado.
Tenho saudade do tempo que não era pressionada a ter namorado.
Tenho saudade do tempo em que eu não me preocupava nenhum pouco com o 
tempo.

Fiz para a postagem do meu aniversário em 12 de Janeiro de 2011.
Ainda tenho as mesmas saudades, mas principalmente sinto uma enorme saudade da minha querida irmã.

 No dia 19 do mesmo mês perdi minha irmã, minha melhor amiga.

Tenho saudade da tua alegria, da tua companhia. Da simplicidade, da cumplicidade que existia na nossa amizade. Saudade enorme de você.
Saudade de mim e de quem eu era antes de te perder.

Patrícia Coelho

domingo, 5 de agosto de 2012

Foi Assim


Foi assim!
Como um resto de sol no mar
Como a brisa da preamar
Nós chegamos ao fim...
Foi assim!
Quando a flor ao luar se deu
Quando o mundo era quase meu
Tu te foste de mim...
Volta meu bem
Murmurei!
Volta meu bem
Repeti!
Não há canção
Nos teus olhos
Nem há manhã
Nesse adeus...
Foi assim!
Como um resto de sol no mar
Como a brisa da preamar
Nós chegamos ao fim...
Foi assim!
Quando a flor ao luar se deu
Quando o mundo era quase meu
Tu te foste de mim...
Volta meu bem
Murmurei!
Volta meu bem
Repeti!
Não há canção
Nos teus olhos
Nem há manhã
Nesse adeus...
Horas, dias, meses
Se passando
E nesse passar
Uma ilusão guardei
Ver-te novamente
Na varanda
A voz sumida
Em quase em pranto
A me dizer, meu bem
Voltei!...
Hoje esta ilusão se fez em nada
E a te beijar outra mulher eu vi
Vi no seu olhar envenenado
O mesmo olhar do meu passado
E soube então que te perdi...


Música de Fafá de Belém. Minha mãe pediu para eu procurar essa música na internet para ela. Achei linda. A letra me diz tanta coisa.