domingo, 16 de dezembro de 2012



Só uma palavra me devora
Aquela que meu coração não diz.

Jura Secreta - Simone.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Cada mês de abril , quando o vento sopra do mar e se mistura com o perfume de violetas, Landon Carter recorda seu último ano na High Beaufort. Isso era 1958, e Landon já tinha namorado uma ou duas meninas. Ele sempre jurou que já tinha se apaixonado antes. Certamente a última pessoa na cidade que pensava em se apaixonar era Jamie Sullivan, a filha do pastor da Igreja Batista da cidade. A menina quieta que carregava sempre uma Bíblia com seus materiais escolares. Jamie parecia contente em viver num mundo diferente dos outros adolescentes. Ela cuidava de seu pai viúvo, salvava os animais machucados, e auxiliava o orfanato local. Nenhum menino havia a convidado para sair. Nem Landon havia sonhado com isso. Em seguida, uma reviravolta do destino fez de Jamie sua parceira para o baile, e a vida de Landon Carter nunca mais foi a mesma.
                                                                           

terça-feira, 20 de novembro de 2012

terça-feira, 13 de novembro de 2012

sábado, 3 de novembro de 2012

Conto da Lianah.


Característica da personagem:
 Livre
Passional
Intensa
Amoral
Apaixonada
Ciumenta
Sentimental.

Quem é mais sentimental que Ela?

Fatos:
Não esconde a enorme libido.
Ninfomaníaca
Totalmente dependente de relacionamentos afetivos
Dramática.


Era uma tarde de verão e Lianah veio em minha direção.
Cabelos curtos ao vento, vestido florido, semblante feliz.
No pulso uma tatuagem, 4 gaivotas. Sinal de liberdade.
A noite anterior foi agradável ao lado de um ex namorado.
- É que eu transei, por isso to feliz.
Que mulher tem essa  coragem de falar de sua vida íntima assim as quatro da tarde.
Tá certo que entre mulheres contamos nossos momentos umas as outras. Mas não assim, tipo quatro da tarde.
E dentre tantas histórias que se passam com minha protagonista, as que certamente mais se destacam nesses últimos meses de faculdade é a vida pessoal. O relacionamento que de sério passa a engraçado, a confuso, à sexo casual. Mas não atualizamos essas coisas no facebook, falamos para os mais íntimos,
assim, tomando uma água de coco no findar da tarde.

Mereces um Conto Lianah.
Mas talvez, teu conto saia erótico.


         Esse pequeno texto surgiu de uma conversa entre uma amiga e eu.
Pessoas que escrevem conto, perdoe-me caso esse texto não tenha características de um conto.

Patrícia Coelho.

sábado, 27 de outubro de 2012

             
       

Existe Alguém?

   
Exige o tempo.

                                                                             

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Ilusão e nada mais.

Eu não me culpo pelas ilusões.
Eu não me culpo pelas horas que perdi pensando em ti.
Eu só me culpo pela vida que não vivi
Por ter perdido tanto tempo iludida, pensando em ti.
Mas como eu poderia seguir livre, se foi você quem nunca me deixou ir?

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Saudade



Sintomas de Saudade - Marisa Monte.



Tenho saudade de você
Tenho saudade das mensagens no celular.
Tenho saudade do teu jeito, do teu cheiro, do teu beijo.
De sempre te esperar.

Patrícia Coelho.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Sentir


Silenciei minha voz
Meu coração não acompanhou.
Ele pulou, saltou do peito.
Não vê que sou assim?
Não falo de amor, me escondo de mim.

Se um dia eu negar que te amo,
Por favor, insista.
Não liga se eu te disser não.
O Sim é a verdade do meu coração.


                                                                              Patrícia Coelho.

sábado, 29 de setembro de 2012

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Escrever sempre me levou pra perto de ti.
Se eu sentia muito a tua falta
Te escrevia uns versos e afagava em mim a saudade.
Agora não escrevo mais
Não te escrevo mais.
Você é a doença.
Você é a cura.
Preciso urgente te ver
Para que devolvas meus versos.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Sentir


Silenciei minha voz

Meu coração não acompanhou.

Ele pulou, saltou do peito.

Não vê que sou assim?

Não falo de amor.

Me escondo de mim.

 Patty Coelho.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Síndrome dos Vinte e Poucos Anos.


Você começa a se dar conta de que seu círculo de amigos é menor do que há alguns anos. Dá-se conta de que é cada vez mais difícil vê-los e organizar horários por diferentes questões: trabalho, estudo, namorado(a) etc. E cada vez desfruta mais dessa Cervejinha que serve como desculpa para conversar um pouco. As multidões já não são ‘tão divertidas’, às vezes até te incomodam.
Mas começa a se dar conta de que enquanto alguns eram verdadeiros amigos, outros não eram tão especiais depois de tudo. Você começa a perceber que algumas pessoas são egoístas e que, talvez, esses amigos que você acreditava serem próximos não são exatamente as melhores pessoas. Ri com mais vontade, mas chora com menos lágrimas e mais dor. Partem seu coração e você se pergunta como essa pessoa que amou tanto e te achou o maior infantil, pôde lhe fazer tanto mal. Parece que todos que você conhece já estão namorando há anos e alguns começam a se casar, e isso assusta!
Sair três vezes por final de semana lhe deixa esgotado e significa muito dinheiro para seu pequeno salário. Olha para o seu trabalho e, talvez, não esteja nem perto do que pensava que estaria fazendo. Ou, talvez, esteja procurando algum trabalho e pensa que tem que começar de baixo e isso lhe dá um pouco de medo.

Dia a dia, você trata de começar a se entender, sobre o que quer e o que não quer. Suas opiniões se tornam mais fortes. Vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando um pouco mais do que o normal, porque, de repente, você tem certos laços em sua vida e adiciona coisas a sua lista do que é aceitável e do que não é. Às vezes, você se sente genial e invencível, outras… Apenas com medo e confuso.
De repente, você trata de se obstinar ao passado, mas se dá conta de que o passado se distancia mais e que não há outra opção a não ser continuar avançando. Você se preocupa com o futuro, empréstimos, dinheiro… E com construir uma vida para você. E enquanto ganhar a carreira seria grandioso, você não queria estar competindo nela.
O que, talvez, você não se dê conta, é que todos que estamos lendo esse texto nos identificamos com ele. Todos nós que temos ‘vinte e tantos’ e gostaríamos de voltar aos 15-16 algumas vezes. Parece ser um lugar instável, um caminho de passagem, uma bagunça na cabeça, mas TODOS dizem que é a melhor época de nossas vidas e não temos que deixar de aproveitá-la por causa dos nossos medos… Dizem que esses tempos são o cimento do nosso futuro. Parece que foi ontem que tínhamos 16… Então, amanha teremos 30. Assim tão rápido. 
Autor Desconhecido.
Encontrei no blog Depois dos Quinze

domingo, 12 de agosto de 2012

Saudade

 Tenho saudade do tempo da escola.
Tenho saudade do tempo em que eu acreditava nas pessoas.
Tenho saudade do tempo que tinha fé.
Tenho saudade  dos amigos que o tempo levou.
Tenho saudade do melhor namorado.
Tenho saudade do tempo que não era pressionada a ter namorado.
Tenho saudade do tempo em que eu não me preocupava nenhum pouco com o 
tempo.

Fiz para a postagem do meu aniversário em 12 de Janeiro de 2011.
Ainda tenho as mesmas saudades, mas principalmente sinto uma enorme saudade da minha querida irmã.

 No dia 19 do mesmo mês perdi minha irmã, minha melhor amiga.

Tenho saudade da tua alegria, da tua companhia. Da simplicidade, da cumplicidade que existia na nossa amizade. Saudade enorme de você.
Saudade de mim e de quem eu era antes de te perder.

Patrícia Coelho

domingo, 5 de agosto de 2012

Foi Assim


Foi assim!
Como um resto de sol no mar
Como a brisa da preamar
Nós chegamos ao fim...
Foi assim!
Quando a flor ao luar se deu
Quando o mundo era quase meu
Tu te foste de mim...
Volta meu bem
Murmurei!
Volta meu bem
Repeti!
Não há canção
Nos teus olhos
Nem há manhã
Nesse adeus...
Foi assim!
Como um resto de sol no mar
Como a brisa da preamar
Nós chegamos ao fim...
Foi assim!
Quando a flor ao luar se deu
Quando o mundo era quase meu
Tu te foste de mim...
Volta meu bem
Murmurei!
Volta meu bem
Repeti!
Não há canção
Nos teus olhos
Nem há manhã
Nesse adeus...
Horas, dias, meses
Se passando
E nesse passar
Uma ilusão guardei
Ver-te novamente
Na varanda
A voz sumida
Em quase em pranto
A me dizer, meu bem
Voltei!...
Hoje esta ilusão se fez em nada
E a te beijar outra mulher eu vi
Vi no seu olhar envenenado
O mesmo olhar do meu passado
E soube então que te perdi...


Música de Fafá de Belém. Minha mãe pediu para eu procurar essa música na internet para ela. Achei linda. A letra me diz tanta coisa.

domingo, 29 de julho de 2012

Rabiscos

Escrever sempre me libertou. Quando escrevo ponha pra fora tudo o que me aprisiona, ou pelo menos tento. Tenho o hábito de escrever como forma de me libertar, desde a infância. Desabafos no caderno, no papel, nas agendas que nunca ninguém leu. Eu mesmo não me considerando uma criança tão comportada assim, nos meus momentos solitários eu escrevia. Na adolescência o meu gosto pela leitura só contribuiu para que eu gostasse de escrever mais e mais. Todo mundo sabe o quanto é importante a leitura para quem quer escrever bem, saber se expressar através das palavras. O problema é que de uns tempos pra cá estou em um grande dilema interno. Não to conseguindo escrever nada, maior crise de escrita, eu me auto diagnostiquei. Apesar de que eu estou escrevendo agora, mas ainda não to curada. hehehe
Eu devo ter alma de escritora daquelas iguais aos filmes em que elas viajam para algum lugar em contato com a natureza, vivem histórias interessantes e voltam a ter inspiração.
Inspiração é o que eu preciso, preciso ler mais também.

A única coisa que eu tinha certeza na vida é que eu tinha nascido para as letras. Agora não sei mais de nada. Bom, enquanto esse momento não vem, vou postando aqui meus rabiscos como desabafo que já é um grande começo.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Depois- Marisa Monte.

Depois
Depois de sonhar tantos anos,
De fazer tantos planos
De um futuro pra nós
Depois de tantos desenganos,
Nós nos abandonamos como tantos casais
Quero que você seja feliz
Hei de ser feliz também
Depois de varar madrugada
Esperando por nada
De arrastar-me no chão
Em vão
Tu viraste-me as costas
Não me deu as respostas
Que eu preciso escutar
Quero que você seja melhor
Hei de ser melhor também
Nós dois
Já tivemos momentos
Mas passou nosso tempo
Não podemos negar
Foi bom
Nós fizemos histórias
Pra ficar na memória
E nos acompanhar
Quero que você viva sem mim
Eu vou conseguir também

Depois de aceitarmos os fatos
Vou trocar seus retratos pelos de um outro alguém
Meu bem
Vamos ter liberdade
Para amar à vontade
Sem trair mais ninguém
Quero que você seja feliz
Hei de ser feliz também
Depois

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Quem nunca foi Vilão?

Todos temos certo potencial para ser vilões. Basta uma frase equivocada, não responder a algumas ligações, não corresponder as expectativas dos outros. Pode ter certeza. Você já foi a pessoa má, insensível e ingrata na vida de alguém mesmo sem querer.
Relacionamentos novos só começam porque antigos terminam. Para quem foi excluído dessa equação pode parecer que foi você que praticou o ato de vilania. Pense nos foras que já deu, nos amigos que decidiu não ver mais, nas cartas de amor a que não respondeu.
Nem sempre somos os mocinhos da nossa própria história. Na procura pelo príncipe encantado é possível pisar em alguns sapos sem perceber. Isso não significa ser mau-caráter.
Reconhecer que podemos virar persona non grata para alguém é o que faz reavaliar o papel do vilão. Talvez a bruxa que lhe faz mal seja apenas mais uma insegurança diante de um espelho buscando autoafirmação. Não há como não se identificar com isso.
É nesse momento que o sapatinho de cristal  vira um chinelo de dedo. Com os pés no chão não é preciso desejar um final feliz para todo mundo - e é possível compreender que vilões podem ser só pessoas tão comuns quanto você e eu.


Por Felipe Luno, da revista Gloss.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Feliz

 Não pensa que eu não desejei.
Não diga que eu não quis, é só que eu me assustei ao me ver tão Feliz.
Entenda esse lado bom, nem tudo é aflição. Ficamos com o sonho ao invés da punição.

Agridoce. Trechos da música Romeu de Pitty e Martin.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Lembra de Mim


Lembra De Mim

Ivan Lins

Lembra de mim!
Dos beijos que escrevi
Nos muros a giz
Os mais bonitos
Continuam por lá
Documentando
Que alguém foi feliz...

Lembra de mim!
Nós dois nas ruas
Provocando os casais
Amando mais
Do que o amor é capaz
Perto daqui
Há tempos atrás...

Lembra de mim!
A gente sempre
Se casava ao luar
Depois jogava
Os nossos corpos no mar
Tão naufragados
E exaustos de amar...

Lembra de mim!
Se existe um pouco
De prazer em sofrer
Querer te ver
Talvez eu fosse capaz
Perto daqui
Ou tarde demais...

Lembra de mim!...
Lembra de mim!
A gente sempre
Se casava ao luar
Depois jogava
Os nossos corpos no mar
Tão naufragados
E exaustos de amar...

Lembra de mim!
Se existe um pouco
De prazer em sofrer
Querer te ver
Talvez eu fosse capaz
Perto daqui
Ou tarde demais...

Lembra de mim!...

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Dias Iguais

Dias Iguais (Part. Nerina Pallot)

Sandy

Quando o céu se cobriu de vermelho
Comecei a te esperar
Quando o céu se cobriu de azul
Pude ouvir teu respirar
E ao se cobrir de frio
Bem-te-vi cantando
Bem me viu tentando não chorar
Dias iguais
Azuis, vermelhos, frios
Dias sem paz
De espera
Dias iguais
São como um rio
Correndo pra trás
Não deságua em nenhum lugar
And the loneliest stars of the night
That draw the sky around me
And the vanishing hours of the light
I only dream away for you
And like a nightingale
My broken heart would sing
For these bitter tears
And broken wings
Day after day
Of endless colors
These endless hours
I contemplate
Day after day
There's a frozen river
Where time stands still
I sit and wait...
Dias iguais
Azuis, vermelhos, frios
Dias sem paz
De espera
Dias iguais
São como um rio
Correndo pra trás
Não deságua em nenhum lugar

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Crise de Escrita

Caneta, Papel e ...........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................Folha em Branco.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Água Contida

Eu, chorando
Com essa cara toda amassada
Com esse olho em carne viva, retalhada
E esse nariz que não pára de escorrer

Eu, chorando
Tão previsível quanto areia no deserto
Mais patético sem ninguém por perto
Tão imenso que não dá mais pra conter

Então sai, deixa correr
Toda a água contida
Então sai, deixa correr
Toda mágoa velada é água parada
E uma hora transborda

Eu, chorando
Com essa cara toda amassada
Com esse olho em carne viva, retalhada
E esse nariz que não pára de escorrer

Eu, chorando
Tão previsível quanto areia no deserto
Mais patético sem ninguém por perto
Tão imenso que não dá mais pra conter

Então sai, deixa correr
Toda a água contida
Então sai, deixa correr
Toda mágoa velada é água parada
E uma hora transborda


Você pode não entender se às vezes fico pelos cantos
Um tanto quieta, recolhida, mergulhada no meu pranto
É que ele me liberta na hora
No momento em que eu boto pra fora
O que já não me serve vai embora
E assim, eu fico leve


Sai, deixa correr
Toda a água contida
Então sai, deixa correr
Toda mágoa velada é água parada
E uma hora transborda

Pitty

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Na Sua Estante


Na Sua Estante

Pitty

Te vejo errando e isso não é pecado,
Exceto quando faz outra pessoa sangrar
Te vejo sonhando e isso dá medo
Perdido num mundo que não dá pra entrar
Você está saindo da minha vida
E parece que vai demorar
Se não souber voltar ao menos mande notícias
"Cê" acha que eu sou louca
Mas tudo vai se encaixar
Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
Você tá sempre indo e vindo, tudo bem
Dessa vez eu já vesti minha armadura
E mesmo que nada funcione
Eu estarei de pé, de queixo erguido
Depois você me vê vermelha e acha graça
Mas eu não ficaria bem na sua estante
Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres e outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu
Só por hoje não quero mais te ver
Só por hoje não vou tomar minha dose de você
Cansei de chorar feridas que não se fecham, não se
Curam (não)
E essa abstinência uma hora vai passar

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Não Vê que sou assim?
Não falo de Amor
Me escondo de mim.

sábado, 7 de abril de 2012

E quando teus lábios encontram os meus,
Minha Alma sabe porque nunca te esqueceu.

domingo, 1 de abril de 2012

Sentir...

É que o coração só sente,
ele sempre sente...
cada verso oculto, cada silêncio.
Cada olhar solto no meu mundo
nasceu pra pousar nos braços
do homem que eu amo.
Ana Camila, do blog Beijos, Blues e Poesia.